theme
133 notas
Reblog
"

Por teus olhos negros…

que me trazem o desespero em náuseas e romances pulsantes, meus suspiros hão de cravar-se em insônias claras, pra que nas sépias linhas da folha errante, eu me escravize às nuvens da tua boca rubra, da tua pele pálida, da tua sede, das tuas curvas, das tuas desatinas loucuras, dos teus venustos traumas…

Por tantas luas que açoitaram-me as noites,
derramei-me em aquários; ermo, eu,
apanhando flores nos oásis traidores da tua boca,
e me esmigalhando em poeira e poemas,
morrendo até que o cimo de minhas gamas trema,
ao pé da sombra dum obelisco mirro
nos desertos em que meus pés tão crespos
deixaram rastros com os pesadumes meus!

Faço colheitas de universos, enterro uma pirâmide no caos…
Até que o inferno me sopre os fôlegos, perdurarei!

Posto a chuva num olhar devastador, me curvo
ao suicídio da forca! no lastro dos teus beijos umbrais
que embevecem-me. Não te caminhes os pés por invernas dunas,
tampouco em geleiras emperradas na despedida do cais;
a tua vivência é rasamente moribunda! E me afogaria os dias, ver-te,
sem vertente, nas águas profundas de meus espinhos abissais.

Por hora e vida, mesmo o sangue me sepulta às cinzas da areia;
ser soterrado no tédio dói menos que a tortura da tua ausência…

Galoparei minhas auroras rés pelas praias que o céu me curva,
como uma partitura ou réquiem, entoada ao pé do teu ouvido.
E serão de crisântemos e petúnias os meus horizontes,
e pincelarei, em todo cirro, com esmero e versos casmurros,
o tormento que é amar-te sem que me ames ao mesmo tempo.

" - Annd Yawk
201 notas
Reblog
"Palmas para ele em seu fracasso substancial, composto por letras sonoras e impressas, escritas e voláteis. A ausência de sentido lhe deu uma enciclopédia fracassada pelo glossário inacabado, pelo Desassossego como último termo… reticências, espere, inspire – “mas nunca transpire, não deixe exalar toda a beleza que foi armazenada como combustível para construir um império enciclopédico” – Calma menino, a vida precisa de freios, de transpiros, de ensaios que nunca terminam porque até mesmo o grande show é um ensaio de como fazer melhor no próximo. Ele não tem calma, só tem uma puta ânsia pelo logo, pelo já e agora. Tão impaciente quanto um fio de luz que viaja a 299 792 458 m/s no espaço e que não volta mais, que atropela e atravessa todos os corpos sem chance de retrocesso. Fracasso. Se sua substância são letras e se elas já não fazem sentido, tudo o que lhe continha agora está perdido. Se suas letras já não alcançam mais o êxtase, tudo o que lhe resta é puro back. Palmas para impaciência de espírito que inflama o dom da Fênix de sair das cinzas e ser, de novo, completa. Pois é, ele não saiu das cinzas. Agora cessam as palmas em reverência ao óbvio, ele veio a óbito." - Pedro St.
68 notas
Reblog
"Entrar na Academia já entrei
mas ninguém me explica por que essa torneira
aberta
neste silêncio de noite
parece poesia jorrando…
Sou bugre mesmo
me explica mesmo
me ensina modos de gente
me ensina a acompanhar um enterro de cabeça baixa
me explica por que um olhar de piedade
cravado na condição humana
não brilha mais que anúncio luminoso?
Qual, sou bugre mesmo
só sei pensar na hora ruim
na hora do azar que espanta até a ave da saudade
Sou bugre mesmo
me explica mesmo
se eu não sei parar o sangue, que que adianta
não ser imbecil ou borboleta?
Me explica por que penso naqueles moleques
como nos peixes
que deixava escapar do anzol
com queixo arrebentado?
Qual, antes melhor fechar esta torneira, bugre velho…" - Manoel de Barros, no livro “Poemas concebidos sem pecado”, 3ª ed., Rio de Janeiro: Editora Record, 1999. 
592 notas
Reblog
"Eu sou uma pessoa excitável que só entende vida liricamente, musicalmente, em quem sentimentos são muito mais fortes que a razão. Eu estou tão sedenta para o maravilhoso que só o maravilhoso tem poder sobre mim. Qualquer coisa que eu não possa transformar em algo maravilhoso, eu deixo ir. Realidade não me impressiona. Eu só acredito em intoxicação, em êxtase, e quando vida ordinária me algemar, eu escapo, de uma maneira ou de outra. Nenhum muro mais." - Anais NIn 
1.551 notas
Reblog
"Há uma solidão neste mundo tão grande que você pode vê-la no movimento lento dos ponteiros de um relógio. Pessoas tão cansadas. Mutiladas. Seja por amor ou por falta de amor. As pessoas simplesmente não são boas uma para as outras. Um em um. Os ricos não são bons para os ricos. Os pobres não são bons para os pobres. Estamos com medo. Nosso sistema educacional nos diz que todos nós podemos ser grandes vencedores. Ele não nos disse sobre os esgotos. Ou os suicídios. Ou o terror de uma pessoa em um só lugar. Sozinha. Intocada." - Charles Bukowski. 
112 notas
Reblog

Minha vulnerabilidade faz de mim um ser ridiculamente atroz. Minha armadura é a indiferença e dela retiro minhas forças. Tendo isso em vista, as particularidades do meu ser são antagônicas. Na apatia escondo um coração desastrosamente compassivo, terno, onde qualquer demonstração de afeto o dilacera, o implode. Meus desejos mais ardentes são apaixonados, mas vulgares. Minha essência é piegas, minha resistência é anêmica. Eu sou uma bomba atômica prestes a explodir.

1 nota
Reblog

Qual o Skype de vocês?

293 notas
Reblog
"Esse texto vêm com dedicatória logo no início. Não vou mentir que a inspiração não tem dono. Que a imaginação não tem bases reais. Não vou dizer mais que não gosto de ninguém. Parece que não sou tão insensível quanto pensei. As pessoas são muito piores do que eu. Sentir frio na barriga é horrível.. É horrível e ao mesmo tempo é uma delícia. Eu adorei todo o tempo que passei nervosa, me arrumando, me acalmando pra te ver. Adorei sonhar com você. Parecia que finalmente era minha vez de ser feliz. Só parecia. A realidade veio logo. O baque do ele não gosta de você. Não senti nada em primeiro momento mas agora, sinto tudo. Saudade, raiva, dor.. quem sabe até amor. Eu sinto mais do que queria. Eu sinto mais do que devia. Simplesmente não sei o que fazer com isso tudo. Desabar num texto não mudará nada. Contar tudo de uma vez pode magoar ainda mais. Esperar um contato está me matando. Essa história de gostar é mortal. Dúvidas cruéis e pontadas fortes no peito são os piores sintomas. Caso, não sobreviva, deixo esse texto em seu nome." - Se eu morrer, a culpa é sua.  
86 notas
Reblog

Banalizar o amor?

Isso não existe. A gente nasce pra amar todo dia, desde o tio da padaria até o cão da dona Dulce. Por eles eu morro, eu mato, eu sou capaz até de nunca mais ouvir Cazuza. As vezes nem sei quem são, as vezes nem eles sabem. Mas o amor é assim mesmo, coisa pra oferecer a estranhos, pra desperdiçar por aí. Guardar pra que? Sentimento nasce em árvore.

3 notas
Reblog
"A saudade é que me tem." - Etilismo Abstrato
theme